Daddy Walt


Não somos uma sucursal do Tribunal do Santo Ofício, isto não é uma caça às bruxas e tampouco cabe a mim ou a você ou a quem acredita botar a mão no fogo pela previsão malévola ou benéfica do futuro. Ao destino, uma boa noite de sono para que logo chegue. Ou uma passagem para Paris para dizer se vale ou não a pena ter vivido tanto por visitar tal cidade.
Mas Daddy Walt está aqui na ilha entre nós resolvendo os imbróglios e desatinos dos vivos e mortos. Ele desata nós. Ele dá sete pulinhos nas praias do Oceano Pacífico. Pobre Iemanjá que recorre a Namor ou Nemo ou Moby Dick ou Posídon para uma carona very fast das praias do nosso Atlântico sul tropical, caliente, afinal, são pulinhos de Daddy Walt.
Esse merxam achei numa das revistas dos brasileiros no Japão. Nas 110 páginas desta, 60 são publicidade, 20 são empregos, 20 são matérias e fotos e o resto é o resto. Ela e todas outras são gratuitas.
Daddy Walt frequenta nossas publicações há muito tempo. Sempre com essa foto na sua cozinha do apartamento e sempre com os erros de português.
Santo que é santo não é alfabetizado.
Não aguardo e nem temo presepadas e represálias místicas do digníssimo bodsatva africano, pois, de antemão e por opção político-partidária-incréu, sou do PAM (PArtido Anarquista Macumbado) pra não ter erro, nem papa, nem dalai, Daddy Walt, nem nada. Só eu e deuses. E também não.

(Escorregadela: Clica na imagem para ler e ver melhor. É melhor).

3 comentários:

Dani (ela) disse...

por aqui, isso é pau pra dar em doido. em cada poste você encontra um *confleto desse colado.

*confleto = derivação da palavra panfleto, originalmente pronunciada por um entregador dos próprios. ^

^^

Dani (ela) disse...

sobre o link alí do lado, Jackson Pollock: phoderoso.. rss!

TARCIO VIU ASSIM disse...

Fico aqui imaginando como seria o anúncio de um Pai de Santo incompleto...
-
Macumba globalizada é sacanagem