Brasis

Hoje quase fui agredido num supermercado de produtos brasileiros porque disse a seguinte frase:
- O Brasil pra mim é uma realidade distante.
Os ufanistas de plantão e fluidos fisiológicos lacrimais mostraram as garras e avançaram no meu pescoço. Metaforicamente, claro.
Um deles disse:
- Então porque você compra a Veja?
Fiquei atônito. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. No caminho pra casa descobri que eu compro a Veja porque não sei ler japonês, senão já era, mano, as publicações japonesas são muito boas. Mas na hora não respondi. A retórica não funciona bem quando você sente que mexeu com vespeiro fascista. O pior é que o cara que me perguntou é o gerente da loja e ele vende a Veja. Lá, porém, não compro mais. Idiota.

Estou há 18 anos fora do Brasil. Não há como negar que também torço pela seleção japonesa. Nunca contra a canarinho. O Japão também está no meu coração. A maioria dos dekasseguis acham tal afirmação um sinal de conformismo. Não, é a pura realidade. Se morar aqui fosse uma merda, eu já tinha caido fora.

Acho que algumas pessoas gostam de morar num lugar que detestam e detestam quem gosta do lugar.

Afirmar o Japão não é negar o Brasil. E o Brasil que eu carrego no peito - para sempre - é diferente da realidade que se apresenta. Nunca mais vou ver o meu Brasil umbilical, nunca mais. Toda vez que volto ao Brasil sinto saudades daqui. E vivendo aqui eu sei o que é engolir a seco a distância e a saudade visceral.

Fascistas não servem pra nada mesmo.

4 comentários:

Kenia Mello disse...

Sair de casa, metaforicamente falando, é um ritual de passagem mesmo. E a única certeza ques e tem é essa: depois que você sai, nunca mais volta.
E isso se aplica também quando se adota um outro país pra viver e só com uma agravante: o coração eternamente dividido.
Mas daí a achar que, por causa da distância e da saudade, o outro lugar é o melhor lugar do mundo é romantismo demais.

TARCIO VIU ASSIM disse...

Vixe!
Uma maioridade longe de casa...
-
Vá lá que tenha suas vantagens viver desterrado voluntariamente do Brasil mas só ter a VEJA pra ler é sacanagem!
-
:)

TARCIO VIU ASSIM disse...

Li em algum lugar que aprender japonês é muito difícil... daí vem vc escrever que em 18 anos ainda não aprendeu ler! Há esperanças?

Nei Ken iti disse...

São 3 alfabetod: kanji, katakana e hiragana.
Eu me defendo no katakana e lentamente arrisco uns kanjis.
no hiragana tropeço feio.