All you need is love

Nos anos 80 eu li um troço no Jornal da Tarde onde uma socióloga americana ou inglesa dizia que daqui uns 300 anos iriam lembrar do século XX não por suas duas grandes guerras mundiais, nem pela guerra fria ou pelo Vietnã, mas sim por causa da música dos Beatles e do encontro e mix cultural entre o ocidente e oriente.
Naqueles anos no JT tinha um caderno de leitura aos sábados que era muito bom.
Lembro que fiquei entusiasmado com essa socióloga e que fazer parte do século que seria lembrado por causa do rock'n'roll me deixou bobão por ter nascido no século certo.
O que nem eu e nem ela sabíamos é que a vida corre. Outra grande sacação é que o século termina, o Paul virou um bobo, o Ringo já era bobo e escondeu-se e até o George foi esquecido. Quem lembra do que ele morreu?
O Lennon, sem ironia, soube morrer matado. Mas também virou verbete no wiki e só.
O ocidente come sushi e gueixa. O oriente come hamburguer e gueixa. O ocidente manda 10 porta-aviões para qualquer lugar do planeta em um telefonema. O oriente manda 10 homens-bomba para a sua sala, na hora do jantar. A troca cultural corre solta.
Por essas prefiro ser monoglota, ficar no meu arroz com feijão e não dar mais ouvidos pra sociólogos bêbados.
Do primeiro de janeiro de 1901 até o 31 de dezembro de 2000, não houve um dia de paz nesse século de Beatles, Hitler e Picasso. Em todos os dias houve um tiro de guerra. Alguns mais consistentes como o 6 de agosto de 1945, o super-verão no verão de Hiroshima, outros românticos, como as batalhas de Montgomery e Romell nas areias do norte da África.
Daqui a 30 anos quero estar vivo para lembrar do século XX como o século em que nasci.
E que no miolo dos cem desesperados anos desse século bem doidão, perdi minha virgindade.

Nenhum comentário: