São só rosas

Macumba aqui, amor acolá.
Entre uns e outros, um céu e um inferno.
Entre todos - e todos os dias: mortais.

Cor de flor viva tão intensamente viva que grita.

A novidade veio de táxi e não pagou a corrida,
lavou-se rápido na pia, molhou o cabelo e
desceu esbarrando paredes corrimões
atropelando fantasias e
entrou triunfante leite de rosas
forte feito um primeiro beijo.

E ele nunca mais se repetirá,
mas a gente cuida e busca
porque não é bobo, nem nada.

Um comentário:

Hiel disse...

Então, afinal, não era macumba