Todo dia era dia de índio - mas o meu dedão é limpinho

Hoje é o Dia do Mar aqui no Japão e eu to todo pimpão em casa coçando o dedão do pé na quina do pé da mesa. Feriado para poucos, trabalho para o meu dedão.
O mar tem dia porque no Brasil a árvore tem dia. E ambos não passam de objeto de tema na escola com as crianças fazendo cartazes, murais, exposições, pagando mico para a classe toda. Depois crescem e esquecem tudo. Ficam adultos e lêem na Veja que a queimada é uma herança cultural cabocla e que hoje em dia exageram na dose. Lêem no Asahi Shimbun que dar paulada em golfinho faz parte da cultura milenar, afinal, toda proteína do arquipélago vem do mar, inclusive do cérebro do Flipper. Isso quando lêem ou vai dizer que ler é natural?
Árvores, praias, riachos e sabiás. Quantas músicas não foram feitas em vossos nomes? Quadros?
Quando você encara um Monet a menos de dois metros, sabe do que eu to falando. Ou quando Caetano diz que pôs os pés no riacho e acha que nunca mais os tirou. Olha lá o Jobim, mano, Jobim voa!
Parece que a gente respeita mais a natureza na arte que a arte da natureza, ao natural. Certo, é fundamental que haja o dia da árvore, do mar, da montanha, do cocozão do Jurassic Park.
Mas de onde aqueles boys de Brasília tiraram a idéia que podiam botar fogo no pataxó Galdino Jesus dos Santos no Dia do Índio? E olha que Galdino carregava uma forte proteção no nome, mas não tem santo que dê jeito em moleque.

Há muitos anos, na praia de Gotoh, aqui perto de casa, achei uma foto de uma mulher e era daquelas fotos que os japoneses colocam junto ao caixão no velório. Como a praia de Gotoh é pequena, resolvi ir para o outro lado deixando aquela quizira cadavérica naquele canto.
Mas eis que surge a moldura da foto no lado em que fui.
Resolvi ir embora senão ia pintar o defunto da dona.
Lixo, hoje em dia não rola foto, mas lixo e lixo. Fico puto, mas não vou carregar bóia furada com cara de Free Willy pra casa. Nem garrafa pet ou prato de alumínio. Muito menos foto de gente morta. Eu nunca fui muito ecológico, nem sou, mas não curto lixo, ainda mais num lance praia, protetor UV-15 e óculos escuros.
E porra, ontem tinha uma cebola flutuando do meu lado.

Mas que diabos essa foto de chineses dando paulada num cachorro tá fazendo lá em cima?
Explico. Ela gera a mesma indignação ao saber que queimam árvore pra plantar grãos, que esfaqueiam golfinhos para se alimentar, que queimam índios para ter assunto na hora do recreio e a desgraçada e triste necessidade de mergulhar junto com lixo de fiodaputa porco escroto sem educação que deve morar num pardieiro mais nojento que meu dedão na quina da mesa.
E tem mais, cara pálida, chinês dá paulada em cachorro pra comer de pauzinho. É milenar.

Mas meu dedão é limpinho!

4 comentários:

Kenia Mello disse...

Pois eu jurava que já tinha visto esta foto antes e que era numa reportagem sobre o controle da população canina na China.
Aliás, dia desses vi uma reportagem sobre uma senhora que salvou um monte de cães e gatos de rua, que seriam mortos pra limpar as ruas para as Olimpíadas.

Sobre essas coisas abomináveis e ditas culturais, acho um horror. Tanta merda em nome da cultura é praticada... Só que cultura, em termos antropológicos, e aí é o caso dizer, é toda modificação que o homem pratica no seu meio visando a melhorar a sua qualidade de vida. Ou seja, o conceito cultural não se sustenta mais porque os tempos são outros. Mas como se livrar de hábitos é coisa difícil, segue como desculpa válida.

Anônimo disse...

Mas é uma foto de controle de população canina.

Se fosse de população suína, não ia rolar um torresminho?

Pois bem, na China, Vietnã, Coreia, Laos, Camboja e Thai, come-se au-au.
Os dois vietnamitas que conheço dizem que é melhor que carne bovina.

Kenia Mello disse...

Não estou criticando o abate de animais para alimentação humana porque como carne bovina, suína, caprina e galina. :)
Isso não quer dizer, no entanto, que o abate deva ser feito de maneira cruel.

Além do mais, existem métodos de controle de zoonoses menos brutais também.

homem pássaro disse...

os fins justificam os meios ou tanto faz, o negocio eh esse ai mesmo, ta atrapalhando da porrada na cara, depois mais pra frente alguem vai perceber q aquilo era idiota fica com dó e faz mais um feriado.