Monge Ze'

Nenhuma preocupacao na cabeca, pasmem.
Tranquilo, mas nao careca como um monge zen, sentei aqui pra escrever sobre isso. E ai, sim, no ser binario que a gente vai se transformando, nas bifurcacoes e escolhas necessarias pra ir, simplesmente ir, surge a primeira duvida com suas duas setas indicando seus opostos: Continuo ou nao a escrever isso.
Sabe-se desde ja a minha opcao. Mas voce tem outra, e e' mais facil, e' so' me esquecer e ir tomar um cha.
As acoes abruptas tipo tomar um banho rapido, comer rapido e sair rapido para nao pegar transito, hoje nao sao necessarias. Hoje estou de folga e isso me deixa bundamolao e sossegado, um monge Ze'.
E' isso. Chega.
Daqui a pouco vou ate o posto botar gasolina e depois vou queimar uma picanha com a familia.
Ontem fui tocar com um guitarrista e tudo deu certo, a escolha do repertorio, as nuances mediunicas de primeiro ensaio e feelings musicais. Agora falta o baixista, esse famigerado sumido. Baixistas sao musicos em extincao. Po, ontem tocamos Follow You, Follow Me do Genesis, meu chapa. Isso e' legal pracas.

2 comentários:

Kenia Mello disse...

Isso é o que eu chamo de ócio produtivo.
E, Nei, vamos combinar que o senhor é um multitalentos, hein?
Fique zen, fique bem. ;)

Beijo.

Dani (ela) disse...

rss

você escreve tão diferente, quanto uma barriga com dois umbigos pode ser ^^

zeeeeeem...sóóóóóóó...éééééééé... na paaaaaz...

:D