Sao varias

Hoje matei uma aranha que tinha uma caveira na bunda - na parte posterior. Medonha, rajada, astuta e morta. Nao tem conversa se o bicho curte ser peconhento e anda porai pelos meus locais, vira meleca na chinelada. Ja disse aqui na Estrovenga que ecologia e' conversa de comeco de seculo, que nunca senti alteracao na temperatura, que nao to nem ai com o Greenpeace, Ibama ou SOS Mata Atlantica. Nao jogo lixo na rua, so no dia que passa o caminhao. Nao tenho cachorro pra cagar na rua e eu sair recolhendo bosta. Nao jogo lixo da janela do carro, nao gosto de cidade suja, casa suja, vida suja. Faco o minimo e nao me preocupo se esse ou aquele bicho vai ser extinto. Nunca tive um apreco maior que o necessario por um urso polar, tartaruga marinha ou um pe de limao. Nunca tive uma cadeira ou mesa de jacaranda. Por isso, chinelo e esmago a aranha feiosa.

Anteontem acordei gordo. Todo mundo dizia que eu era gordinho e eu achava que as pessoas estavam delirando. Mas anteontem acordei gordo, me sentindo gordo.
Sai do trampo e fui comprar frutas, transar melhor minha alimentacao.
Depois de duas bananas, ja me sinto magro. Nessas horas a tentacao do chocolatra volta como uma continuacao de filme, cada vez pior, gaguejante, arrastado. Mas nao vou sucumbir e vou mostrar pra todo mundo que eu sou magro. Mesmo que seja so na minha cachola.

Sou sedentario. Odeio essa palavra, me sinto um cesar romano, um homem das cavernas que nao caca mais, que planta e colhe. Sou amante do controle remoto e do motor a gasolina. Gostaria de mais conforto, uns 10 milhoes de dolares, por exemplo. Mas enquanto deus desiste de mim e nao joga essa pacoteira no meu quintal, idealizo o controle remoto total. Tipo uns tres pores do sol por dia, ondas regulares numa praia com temperatura controlada e os tais poentes, caipirinhas geladas sem ressaca e rios de chocolate sem culpa.

To trampando pracas e no horario noturno, das 7 da noite as 7 da manha. Acho que enlouqueci, que vou virar um curupira do tempo. Ainda acho, por hora. Numa eventual certeza, me encontrem numa cancao bem triste do Chico Buarque, o ultimo reduto dos loucos por opcao.

Se for num inverno, Emily Dickinson me acolhera com xicaras de pouco cha, cobertores puidos e um olhar na minha alma que so os caes e as criancas tem. Vai ser uma merda.

Entopem o rato de margarina, ele morre e dizem que a trans faz mal. Lamber frieira, esses cientistas pervertidos nao querem, ne nao?

3 comentários:

Kenia Mello disse...

Nei, o chocolate é a pior parte de dieta. Parece que ele chama, chama e a boca saliva, saliva. Mas depois passa.
Eu já estive no fundo do poço algumas vezes, mas emergi plena, maxilares contraídos e magra, muito magra. Hehehe
Beijos. ;)

jocivan pinheiro disse...

às vezes ezito (assim, com Z) matar uma aranha, porque elas servem pra pegar as moscas e os mosquitos da dengue, que são bem piores. mas se a aranha for grande e feia, eu mato. e se for grande demais e peluda, como as caranguejeiras, eu corro e chamo alguém com mais coragem - como minha bisavó - pra matar. a única aranha peluda que me cativa é a da minha namorada.

(www.osfilhosdoshippies.blogspot.com)

rnt disse...

Medonha, rajada, astuta e morta.
jahsdga, random total, amei. maior ritmo.