Slumdog de Deus

Depois de Cidade de Deus, qualquer filme rodado numa favela parece que tera uma perseguicao pelas vielas, escadas, com cameras correndo e tremendo, na altura da cabeca - o alvo, a razao - e dos pes - o instintivo, o objeto de fuga, o chao, o cru.

O vencedor do Oscar 2009, Slumdog Millionaire (Quem Quer Ficar Milionario?) segue a risca o desenho de Fernando Meirelles, diretor de Cidade de Deus. Mas nao e' tao excitante nem tao bom de assistir. E' outra historia, outra coisa, mas lembra o filme brasileiro porque favelas sao parecidas em qualquer lugar do mundo porque miseria nao se disfarca.

Nao descobri o que Slumdog Millionaire tem para levar o careca. O filme do Woody Allen, Vicky Cristina Barcelona, que nao concorreu ao premio de melhor filme, e' um filme melhor. Alem de O Curioso Caso de Benjamim Button, muito mais filme de Oscar e covardemente vice campeao na Academia.

O vencedor do Oscar 2009 e' uma boa diversao para uma tarde chuvosa e so isso. Nem se incomode com a pipoca. Mas so assista se nao tiver mais nada pra fazer. Prefira uma reprisada de Cidade de Deus. Quem tem um Ze Pequeno, nao precisa de Jamal ou Latika.

5 comentários:

rnt disse...

sem contar q nao dá vontade de assistir, pq parece filme mixuruca, que nem os filmes da xuxa.

acho q só ganhou tanto oscar por causa da futura parceria trilhonária com bollywood.

bjo, nei

Leela disse...

Nossa, discordo totalmente. Slumdog Millionaire não é sobre violência. É sobre inocência incorruptível e amor. Não achei um momento parecido com Cidade de Deus que é sobre a sobrevivência física e mental em meio a violência (que concordo ser um filme lugar-comum pra caramba e baseado na percepção brasileira de que só nós somos coitados e AINDA muito criativos). Aliás, a inocência do protagonista de Slumdog me lembrou o inesquecível Salvatore de Cinema Paradiso - um filme sobre inocência e amor igualmente.
E aí vem a parte em que sou suspeita para comentar porque amo Danny Boyle. No mais, não gostei dele ter levado tantos oscars porque agora o estilo que criou Trainspotting, Shallow Grave, as câmeras frenéticas de 28 days later, Sunshine, Millions e outros (que eu acho dignos de 3487697642876 Oscars) vai ser copiado over and over, até por filmes brasileiros sobre favelas e polícia-mais-lugar-comum-impossível.
Sobre Vicky Cristina Barcelona, achei um filme do Allen passável porque é uma personificação sem-vergonha de Almodóvar e só se salva pelo talento de Penelope Cruz que nem é de outro mundo.

Leela disse...

Quase não deu espaço pra mandar beijo.

bjo!

josue disse...

cara, eu assisti, gostei...
mas realmente, cidade de Deus dá de 100 a 0

TARCIO VIU ASSIM disse...

Quero ver mesmo assim. Já encomendei ao meu amigo camelô da esquina.