Japão oferece ajuda para imigrantes desempregados deixarem o país

O programa lançado pelo governo prevê ajuda de ¥ 300 mil para brasileiros e peruanos

O Ministério do Trabalho, Saúde e Bem Estar Social lançou na quarta-feira (1º) um programa polêmico, que oferece ajuda financeira a brasileiros e peruanos descendentes de japoneses que vieram ao Japão como dekasseguis e agora enfrentam uma grave situação de desemprego por causa dos efeitos da crise econômica mundial.
Segundo a medida, cada estrangeiro que aceitar deixar o país poderá receber ¥ 300.000 (US$ 3.000), além de ¥200.000 por cada dependente. No entanto, os imigrantes que aceitarem o incentivo não poderão mais trabalhar no Japão.
Somente poderão regressar como turistas ou com outro visto de trabalho. Também foram estabelecidos requisitos, como não possuir bens no país.
Segundo o relatório do Minsitério da Justiça, em 2006 havia cerca de 310 mil brasileiros residentes no Japão. Trata-se da terceira maior comunidade estrangeira do país. A maioria desses imigrantes trabalhava com contratos temporários no setor manufatureiro, principalmente em indústrias automobilísticas e de eletrônicos. Mas com a crise econômica mundial e a forte recessão enfrentada pelo Japão, muitos foram demitidos e não conseguem recolocação no mercado de trabalho.
Um levantamento do Ministério do Trabalho mostrou que cerca de 9.300 estrangeiros se inscreveram nas agências públicas de emprego entre novembro de 2008 e janeiro deste ano. O número é 11 vezes superior ao registrado entre novembro de 2007 e janeiro de 2008, destacou o ministério.

ipcdigital.com e agências

Um comentário:

LuMa disse...

Nei, sejamos sinceros. Considerando que há um grande número de brasileiros com baixa escolaridade como ponto de partida, e ainda, com um precário conhecimento do japonês enqto permaneceu no país, essa ajuda é mais que um presente caído do céu para quem o futuro já está prestabelecido: sem chances no Brasil e nem no Japão, ainda mais nestes tempos duros. Essa "caridade" deve ser caso único no mundo, em tempos de governos "volvendo" todos à direita e expulsando sem dó aqueles que não lhes servem mais(veja as Oropa). É um país muy capitalista oferecendo gentilmente solução com medida socialista(!)para dar um pé na bunda. Reconheço os benefícios obtidos pelos nikkeis com este visto especial por ser descendente, mas pessoalmente, nunca concordei com essa moleza. Agora, até pra levar o pé na bunda pode-se gozar do privilégio!

Ser nikkei nunca deveria ser um atenuante para vistos fáceis, como se nossos olhos puxados fossem prerrogativas para ter mais ou menos identificação/afinidade cultural com os japoneses. Sinto muitíssimo por aqueles que acabaram de chegar no Japão e que ainda esteja pagando suas dívidas. Ou mesmo aqueles que, por razão de doença, imprevistos, alargamento de família, etc, se encontraram repentinamente nesta situação, digo, a zero. Já o resto, não merece atenuante, pois 99% dos brasileiros, sempre disseram de boca cheia frases como "Japão não é meu país, estou só pra ganhar $ e cair fora", vivendo em casulos sem interesse por língua, cultura e vida social. Sabe aquela vocação predatória que herdamos dos ibéricos, vc entende... Agora, querendo ou não, vão ter que cair fora, e em tempos como estes, o valor é uma bolada, caramba. Só espero que os brasileiros, antes de receber essa ajuda, pensem bem. Mas que pensem como um cidadão de onde vive, com seus deveres e direitos. E não como um predador de passagem. Uffa, scusa por embolar as idéias. O assunto aquí requer algumas páginas mais, mas vou parando. Beijão!