Melancolias

A tristeza te alcança entrando plena e rasteira pelo vão da porta, pela fresta da janela, pela escuridão de dentro do cobertor.

Desencadeia uma série de eventos físicos: diurese, cabisbaixismo, tendência a ouvir cantores que já morreram e a descoberta de que a retina enxerga em preto e branco - na alma. Pode-se chegar ao extremo de assistir a um tele "super" drama japonês com uma sinopse recheada de cânceres, hospitais, tabefes na cara, conversas infinitas, velórios com orações búdicas, crianças felizes nos primeiros capítulos e absolutamente doentes no final, mensagens sábias de avós ou cena com olhares vazios no infinito acompanhado de um monólogo de efeito que vai marcar o enredo todo. Final com todo mundo na merda, mas com a cabeça erguida.

Lupicínio, Kurt Cobain, Billie Holiday, Cartola, Edith Piaf, Joy Division, Leonard Cohen, Carpenters.
Cortar a mão lavando a louça.
Televisão ligada com botão mute em on.
Celular registrando a última ligação há cinco dias.
Ler uma página inteira e não lembrar nem do título do livro.
Ou o nome do autor.

Final com todo mundo na merda, mas com a cabeça erguida.

3 comentários:

Erika disse...

O mar não tá pra peixe; se correr o bicho pega, se ficar, o bicho come; a bruxa tá solta e é melhor se benzer. Ou seja, exatamente como vc disse, situação adversa, mas a cabeça continua erguida. Beijo.

LuMa disse...

Coisa de bem pensante, Nei.

Longe de pretensa sugestão, mas não deixe essa brecha se abrir. Não caia onde levei 4 anos para sair. Nem pensar. O buraco não tem fundo, sabe como. Purgação é uma boa coisa. Eu recomecei com repensamento de valores, das coisas mais banais de que não percebia. Cabeça erguida.

Kenia Mello disse...

Beijos na correria!