SAKURA





A flor de cerejeira aparece num domingo e morre no outro. É tão efêmera quanto a energia elétrica na ponta de um fio desencapado. Se ninguém tocar, para onde vai? A árvore (sakura no ki) passa o ano inteiro sendo a árvore mais feia de todas. Se a pessoa não a vê em flor, plena e total - exibida - não sabe que aquela árvore com cara de conto de Edgar Allan Poe é uma cerejeira. Sim, há corvos aqui. Dedéu.

Estas fotos tirei num passeio com a Nanci, anteontem. Fui para as montanhas ao norte, seguindo a rota 152 e achei esse véu de noiva. Ontem (domingo), isso aqui deve ter bombado de famílias fazendo piquenique embaixo das árvores. É a tradição na chegada da primavera.

Tudo isso na margem leste do Rio Tenryu, 50 km de casa.

7 comentários:

rnt disse...

aew, valew! inda vou praí só pra ver essas carinhas.

LuMa disse...

Belas fotos, e que privilégio, Nei. A florada é de tirar o fôlego. Tão frágil e efêmera, mas com uma força explosiva para tirar o poeta que há em cada um dos visitantes. Beijos.

LuMa disse...

Brigadinha, Nei, tudo ok. Âgências de notícias internacionais são muuuuuito mais eficientes que a própria mídia local. O país só foi perceber a gravidade muitas, mas muitas horas depois, qdo CNN, BBC e outros já estavam dando estimativas piores.Único terremoto que abala Milão é o financeiro, porque de resto, vai tudo bem. Grazie e beijos!

Dani (ela) disse...

a efemeridade é assim... curta, intensa e poderosa.

lin-das.

Abel disse...

Lindas flores, lindas as fotos. O outro lado do mundo é mais bonito do que o meu?

Bem disse...

Cheguei em seu blog através do blog do Laerte. Achei o nome estranho e depois fiquei curioso com o cotidiano no Japão.

Suas fotos ficaram muito bonitas, de alguma forma me lembrou o filme Dolls

Nei Ken iti Schimada disse...

Claro! Dolls, direção do Takeshi. Muito lindo esse filme. Falei dele no blog que antecedia a esse.
Filmão!

Abraços!