Cartas na Manga

No oficial, cada uma custou US$1.20. Quanto custa ai?


A manga da foto acima é brasileira, as bandeirinhas não mentem.
As conversações multilaterais para a exportação de nossa manga começaram no falecido governo Geisel, nos tempos do Chevette e da tv preto e branco.
As primeiras mangas brasileiras foram trazidas extra oficialmente por dekasseguis, enroladas em meias, toalhas e cuecas, no fundo das malas. Eram os tempos das mangas, dos quilos de café, das latas de feijoada e do toicinho defumado.
Oficialmente, consome-se a manga brasileira no Japão desde 2007.
Eu desembarquei no Japão com um Garcia Márquez, roupas, revistas Asterix, Os Piratas do Tiete e uma lata de feijoada que foi aberta no ano novo de 1990 para 1991.
As mangas filipinas, tailandesas e mexicanas ainda são a maioria nas gôndolas dos super e hiper mercados japoneses.

O presidente Lula disse que as eleições presidenciais do ano que vem serão boas porque todos candidatos são de esquerda.
Ele também sabe que com um telefonema (spam?) a direita prende e arrebenta (palavras do General Figueiredo, nosso ex), esculacha, esconde e começa a se entender com o resto do mundo para exportar a sua manga.
Por isso, diante dessas palavras de alerta, daqui a pouquinho eles chegam com uma carta na manga. Ou no colarinho branco.

3 comentários:

Kenia Mello disse...

Uma boa manga, carnuda, sumarenta, também é polissêmica. :)
Beijos.

LuMa disse...

Hummm...falando de manga real, tá bem acessível aí, porque destas partes, ainda custam mais de 2 euros por unidade.

Já falando daquela em metáfora, me pergunto o que é esquerda no entender de Lula. Nos meus tempos de Brasil, a esquerda era aquele barbudinho, com um tira-colo de lona surrado e um Marx debaixo do braço, mas vejo que a coisa andou mudando um bocadinho...

Anônimo disse...

A esquerda mudou e espraiou-se para varias facetas. Ate mesmo a esquerda fisiologica existe. E acredite, existe gente bem intencionada tambem num outro canto da canhota.

A direita nao, ela nao muda. Nao se permite.