Exposição no México mostra história de Gabriel García Márquez

Com uma série de livros, documentos e fotos, foi aberta no México a mostra "Gabriel García Márquez: Uma Vida", que percorre a história do laureado escritor colombiano, visando servir de preâmbulo para o lançamento de uma biografia.
No Palácio de Belas Artes, no centro da capital mexicana, uma centena de peças documenta cronologicamente aspectos da história pessoal do autor de "Ninguém Escreve ao Coronel", assim como seu trabalho criativo em diferentes episódios de sua vida.

"Esta exposição pode ajudar a trazer García Márquez de volta à memória das pessoas e propiciar sua releitura", disse Teresa Vicencio, diretora do Instituto Nacional de Belas Artes, na noite da última quinta-feira (8), durante a inauguração da mostra.

A exposição é baseada na obra homônima do escritor Gerald Martin, que durante quase duas décadas se dedicou a esquadrinhar a vida do literato colombiano residente no México para redigir sua única biografia autorizada, que tem 762 páginas.
A versão em espanhol de "Uma Vida" será lançada também no Palácio de Belas Artes, em 26 de outubro.
Ao longo da mostra, as fotos do pequeno Gabo, como o escritor é conhecido, se misturam com imagens de seus pais, seus tios, suas viagens pela Europa e do escritor conversando com o peruano Mario Vargas Llosa e o mexicano Carlos Fuentes.
García Márquez também posa sorridente para a câmera, abraçado a seu amigo Fidel Castro. Em outra foto, aparece recostado numa poltrona, com as mãos atrás da nuca e os pés esticados sobre um móvel.

"É uma homenagem a um escritor que inspirou e iluminou as vidas de centenas, milhares e milhões de leitores," declarou Pedro Huerta, diretor geral da Random House Mondadori, editora do livro de Martin.

Uma das joias da exposição é o contrato que o octogenário escritor premiado com o Nobel assinou em setembro de 1966 com o editor Francisco Porrúa para a publicação da primeira edição de "Cem Anos de Solidão", pela qual recebeu um adiantamento de US$ 500.
Durante a mostra, os organizadores pretendem fazer uma maratona de leitura da obra de García Márquez, que publicou em 2002 suas próprias memórias, "Viver para Contar".

A exposição "Uma Vida" ficará aberta ao público até 26 de outubro.

12/10/2009
NOÉ TORRES
da Reuters, na Cidade do México

Um comentário:

LuMa disse...

Nei, te vejo já sentado alí na primeira fila. Um pouco de loucura sadia, vai. Com um low-cost atravessar o Pacífico pra vc seria fichinha. Beijos