Crianças Mudas Telepáticas


Acabo de assistir na NHK um documentário sobre um urbanista que fez maquetes 3D da cidade de Hiroshima e faz palestras para estudantes com elas.
São várias maquetes históricas, desde 1840 ate o dia 5 de agosto de 1945, um dia antes da bomba e no dia 7 de agosto, um dia depois.
Ele tinha três anos de idade na ocasião e estava na casa dos avós que era num sítio a 50 quilômetros de distancia de Hiroshima enquanto seus pais procuravam emprego na cidade.
O meu problema com documentários na tv japonesa é que presto tanta atenção no texto para tentar decifrar algumas palavras e citações que acabo esquecendo o nome das pessoas. E sempre penso, na próxima anoto alguma coisa. Nunca mais vou saber ou lembrar o nome desse urbanista.
O fato de vermos as maquetes e observarmos o desenvolvimento da cidade nos 100 anos anteriores à bomba é muito mais comovente. Todos sempre pensam nas fotos em preto e branco pos-devastação, na Rosa de Hiroshima do poema de Vinicius ou nas pessoas mutiladas, mortas, inexatas.
O fato de ser uma cidade portuária, o desenvolvimento cultural da cidade era grande. No fim do século 19, com a reforma Meiji, vários navios estrangeiros traziam novidades para esse grande porto ao sudoeste do Japão. Muitas pessoas queriam aprender inglês e holandês para terem mais contato com os gaijins dos grandes vapores cheios de novidades, desde na vestimenta e alimentos às maravilhosas máquinas de teares que encantavam os promissores ex-senhores feudais que buscavam uma nova forma de enriquecerem na nova sociedade capitalista e burguesa que surgia.
Nas maquetes mostradas, aparecem desde onde foram instalados os primeiros semáforos ate onde aconteceram os primeiros engarrafamentos de transito com, pasmem, dez ou quinze automóveis, pois aos domingos, os ricos iam ao centro para tomarem a grande maravilha do ocidente: o sorvete.
Em 1914 construíram o que é hoje o Genbaku Dome (foto) ou A Cúpula da Bomba Atômica que estava 150 metros de onde foi o hipocentro da explosão. Foi originalmente construído para a “Exposição Comercial da Prefeitura de Hiroshima”, celebrando justamente a absorção cultural do antigo império feudalista por novos valores burgueses da revolução industrial emergente na Europa. Seria um símbolo para o encontro entre o ocidente e o oriente no esperançoso inicio do século 20.
Ironicamente manteve-se em pé com a explosão e virou um monumento de esperança para a paz mundial e a eliminação total de todas as armas nucleares.
Aproveitaram a visita do presidente Obama a Tokyo para transmitirem tal documentário pelo fato de que ele disse que faria todos esforços para eliminar as milhares de ogivas nucleares pelo mundo.
Além de palestras com suas maquetes históricas, o urbanista também entrevista os últimos sobreviventes de 1945. Todos são os derradeiros de suas famílias, os únicos. Quase todos ainda carregam as mazelas radioativas, muitos são senhores e senhoras, pessoas solitárias que não tiveram famílias, esposos e filhos por acharem que poderiam passar seus males para as próximas gerações e não queriam que o sofrimento continuasse. Todos choram durante as entrevistas, o urbanista, os entrevistados, produtores. A idéia era mandar a fita para o presidente americano. Nada mais oportuno, o atual tem um Nobel da Paz por antecipação.
O homem mais poderoso do mundo há que fazer muito pra tal merecimento. Pode iniciar tudo apenas assistindo aos depoimentos munido de pipoca, lenço de papel e caneta para assinar alguns decretos para honrarmos com tranqüilidade o futuro da humanidade.

2 comentários:

LuMa disse...

Assino tbém em baixo, Nei. Qdo eu lí que Obama faria uma visita por lá, me veio um flash de todos os líderes e militares americanos que não apenas não reconheciam o 'erro', como nunca fizeram uma visita oficial a Hiroshima, e por um momento, cheguei a pensar no risco de vida que ele terá - não apenas pela questão da bomba atômica mas por várias questões geopolíticas - até concluir sua gestão.

Me lembro qdo meu marido e eu fizemos uma visita ao museu, justamente no dia 8 de agosto - dia da rendição japonesa - e enqto eu traduzia os efeitos descritos, ele observava a reação de um grupo de colegiais americanos que tbém faziam visitas ao museu, bem ao nosso lado. Ele queria, a todo custo, identificar algum mal-estar naquele grupo. Infelizmente, ele não capturou reações que esperava. Talvez os colegiais já haviam sido narcotizados pelos efeitos de Hollywood.

Bem disse...

Ohayou,

Ve se o tal programa é esse aqui:

http://www.nhk.or.jp/no-more-hibakusha/index_en.html