Viajando na maionese

Anos nessa brancura – e sem pão.
Abro site da Folha e está escrito assim:

Morre aos 100 anos o antropólogo francês Claude Lévi-Strauss

Nunca li nada do homem. Só sabia que ele tinha morado no Brasil, dado aula na USP e que tinha detestado a Baia de Guanabara (segundo Caetano em “O Estrangeiro”), pareceu lhe uma boca banguela.

Pra mim, ele já tinha morrido em algum momento entre a Bossa Nova e a Tropicália, não pela boca banguela, nem por nada, mas pela idéia de passado distante.

2 comentários:

LuMa disse...

Cê acredita que pensei a mesma coisa qdo abrí a página da Folha ontem? Digo, décadas sem falar muita coisa dele, e de repente, tá alí, como manchete de última hora(!), e ainda, dando ressalto ao simples fato dele ter vivido 3 anos no país. Claro, a figura dele foi importante e influenciou sobretudo os acadêmicos, mas a manchete não é proporcional à sua importância durante sua atividade em vida...

SÃO PAULO URGENTE disse...

O Oscar Niemeyer, já saiu do hospital e já deve estar trabalhando 101 anos...