SALVE GERAL, um filme (?!)

Salve-se quem puder, apertem os cintos, o cinema ruiu. Esse trocadilho imbecil é melhor que os 90 minutos de tédio.
Filminho ruim de doer. Fazia tempo que eu não via um filme tão medíocre.
A Andréa Beltrão tenta e tenta e não consegue sair da lama de marasmo por contracenar com atores tão mal dirigidos. Ou tão péssimos.
A musica incidental em um filme não pode ser percebida, nunca. Mas essa eu percebi e era um tema feio.
Os maus são clichês. Os bons são ruins.
Hoje eu vi uma batida de carro, um de lá, outro de cá, se encontraram na esquina. Ver os caras olhando para os carros deformados foi mais emocionante que assistir a essa piada.
Se ficarem lambendo toda produção do cinema nacional porque é cinema nacional, vai acontecer isso, grana da Petrobrás, BNDS – a tua, nossa grana – para fazer bobagens repetitivas, falarem da bandidagem poderosa, do robinhoodismo na comunidade, do negro do mal, do negro do bem, do policial corrupto, do policial honesto, da fraternidade das celas, da classe média branca sofredora. Chega.
Se fizerem outro filme com sirenes e tiroteios de abracadabra, vou assistir só pra confirmar que a nossa originalidade é, de fato, o mesmissimo carnaval – todo ano.

3 comentários:

rnt disse...

cinema nacional é bem chato hënnn ;)

Punksauro Nei disse...

Nem, tem coisa bacana: O Ceu de Sueli, Amarelo Manga e O Cheiro do Ralo sao bons pracara.

O chato eh que as caras dao as caras na tv.

A tv eh chata.

Leela disse...

Obrigada! Finalmente alguém achou esse filme MEDÍOCRE também... Credo.