Um Dia Antes

Esta foi a ultima carta que escrevi para ela.

Mãe:

Penso em você todos os dias, toda hora.
Depois que volto do serviço, dou algumas voltas de bicicleta para emagrecer e espairecer. E esse texto esta sendo datilografado na minha memória enquanto pedalo. Na verdade, agora que digito, são quase cinco e meia da manhã.
Sempre penso que aquela brisa que bate na minha cara poderia ser sua também.
Tem o sol.

O sol primaveril do Japão, você sabe, tem o constante sabor da vitória, do renascer. Depois de longo inverno, todos nos que aqui estivemos sob tal manto de frio e silencio, acreditamos que toda a vida se renova, a esperança, os louvores, o amor de Francisco de Assis para o enigma do árduo e silencioso trabalho das irmãs formiguinhas. Em toda primavera elas saem das tocas e voltam aos afazeres.
Logo chegam as cigarras para nos ensurdecer com seu rock’n’roll. E assim também renovamos a velha fabula.
Por isso, por mais outonal que seja este seu momento, acredite, há uma primavera em algum lugar.
Penso em você toda hora porque é uma maneira muito peculiar de orar. Talvez exista de fato uma energia invisível e positiva e talvez ela seja transmitida por pensamento. E é através dessa via que posso lhe dizer coisas.
A minha voz, meu cheiro, meu olhar, meus cinco sentidos ainda não estão ai ao seu lado. Mas você sabe que estou. Porque você está aqui.
Pense em coisas boas. As melhores coisas boas possíveis. Uma árvore pode ser uma coisa boa. A sombra dela. O crescimento silencioso que ela faz para alcançar o lugar mais alto entre a terra e o céu para dançar junto com a ventania e a chuva.
Pense na chuva. Nas águas de marco, no dia 25 de marco. Pense que essa musica de Jobim é pra você. Eu acho que isso é uma coisa muito boa pra se pensar.
Pense no carinho das pessoas que estão ao seu redor.
Pense que cada lagrima que passa pelos meus olhos é uma gota de um esperançoso remédio espiritual possível junto a todos que as boas e profissionais enfermeiras lhe trazem.
Acho que passei anos tentando aprimorar minha literatura só para tentar transmitir todo meu amor por essa carta.
Pode ser que tenha a frieza das letras digitais, da tinta artificialmente impressa, do ruído da impressora. Mas acredite, essas letrinhas viajaram num misterioso e tecnológico caminho na velocidade da luz, quase a velocidade dos anjos.
Pense na minha voz e no meu pensamento ditando cada letra, cada palavra e virgula para meus dedos teclarem no ritmo do meu coração.
Logo estarei ai. Logo serei mais um nesse circulo de amor e carinho em que você se encontra.
Já são 6 horas da manhã.
Agora moro muito próximo de um templo xintoísta. Daqui da janela de cima, é possível vê-lo ao norte, seu jardim, suas árvores.
Ao sul da minha casa, um pouco mais distante, há um templo budista com um daqueles grandes sinos japoneses. E nesse momento, o sacerdote está batendo as seis badaladas matinais. O mantra do alvorecer. O aviso de que mais um dia chegou para protagonizarmos nossas existências.
Escreverei mais e mais. Até a minha chegada, leia-me. É uma forma de presenciar-me.
E também é uma forma de presentear-te.

Besos!
Seu filho,
Nei

3 comentários:

Anônimo disse...

Essa carta foi lida na cerimonia de despedida dela pela Maite, pois sua mae não havia conseguido ler. Porem tenho a certeza de que alem de escutar e ler, ela conseguiu ver todo imenso amor que vc mandava para ela atraves das letrinhas digitadas!
beijos
Edna.

Maíra disse...

O amor que ela tinha por vc era mto maior que a distância entre vcs. E sem amor, nada seríamos... nada seríamos sem o amor da Tia Adélia...

lidia disse...

Parabens por nos presentear com esta demonstraçao de amor e carinho que so podia partir de voce,que e uma pessoa muito especial e unica voce tambem estara cercado de amigos e pessoas que te amam....beijos ney,li e bru.