Pesquisa diz que estrangeiros não sabem o que fazer para se integrar


Já os japoneses não sabem como fazer para colaborar com a integração

Japão , Aichi

Os estrangeiros querem participar ativamente das associações locais de moradores, em
atividades como coleta de lixo e produção de informativos, mas não sabem como.

A conclusão faz parte de uma pesquisa da NPO Resource Center for Multicultural Community Tokai divulgado em julho e é resultado do “Projeto de apoio para a convivência multicultural”, realizado a pedido do governo de Aichi nas cidades de Toyohashi, Inuyama e Kariya, no período de outubro de 2009 a fevereiro deste ano.

Mais de 400 pessoas, entre japoneses e estrangeiros, foram entrevistados nos principais conjuntos residenciais da região.

Segundo o responsável pela pesquisa, Yoshihiko Doi, os japoneses disseram não saber como ajudar os estrangeiros a ingressar nas associações.

Nos questionários coletados, eles apontaram o não cumprimento das regras de coleta de lixo, o estacionamento de veículos em locais inadequados e o barulho dos carros dos moradores estrangeiros como principais problemas.

Por sua vez, os imigrantes declararam que não podem faltar ao serviço, reconheceram que não separam o lixo corretamente e apontaram a dificuldade de se relacionar com japoneses.

A fim de melhorar as relações sociais, japoneses acham necessário a elaboração de informativos sobre as reuniões de associações de bairro em idiomas estrangeiros, seminários sobre regras de convivência e espaço para consultas.

Já os estrangeiros sugerem a criação de cursos de língua japonesa, informativos em língua estrangeira e cursos para japoneses entenderem as diferenças culturais entre os povos. O resultado foi apresentado para representantes de prefeituras.

Entender o que um povo pensa sobre o outro foi o ponto mais importante do projeto na avaliação de Doi. Os recenseadores, que eram estrangeiros, descobriram o que os japoneses acham a respeito da comunidade de imigrantes e vice-versa. "É fundamental saber o que os outros pensam sobre você para poder começar a viver junto de agora em
diante", explica o representante.

Deu na IPC Digital

Nenhum comentário: