Eu continuo achando esse adesismo situacionista uma viagem sem volta e por isso sou chamado de fascista.

O problema não é o que eu sou - e não sou - mas o que o Brasil será.

Nenhum comentário: