Um poético tradutor





















Quando a gente aciona o tradutor do Google Chrome, já sabe que virão surpresas interessantes.

Mas nunca esperei que o tradutor tivesse uma visão poética e simbolista do tempo.

Diante do outono abrindo as portas, imaginei o poeta Paul Verlaine no emaranhado de fios e uns e zeros correndo na velocidade da luz para adicionar lirismo na investida do clique do mouse.

- Voilá!

Um comentário:

Kenia Mello disse...

Então, houve signo (imagem, palavra etc.), o lirismo se insinua. ;)
Beijos.