Mondocani e Bob Dylan

A maioria das pessoas que Mondocani conhece que gostam de Bob Dylan, gostam porque todo mundo gosta. A maioria nunca leu Dylan no original porque não é tão anglo assim para tanto. Nem mesmo Mondocani. Aliás, a maioria de dentro de Mondocani mesmo gosta de Dylan porque todo mundo gosta. A minoria interior de Mondocani que gosta de Neil Young, por exemplo, gosta, proporcionalmente, mais de Neil Young que de Bob Dylan apesar de Mondocani ter ficado muito emocionado e comovido quando o vi cantando Like a Rolling Stone num show perto da casa dele.
A maioria não sabe que Like a Rolling Stone não tem nada a ver com Mick Jagger ou Richards ou Muddy Waters, mas conta a história de uma mulher que era milionária e que agora é mendiga. E que no fundo, a letra é poeticamente fraca. Nem Mondocani sabia até acessar o Google.
A maioria das pessoas, inclusive Mondocani, usa o Google para essas bobagens. E como Mondocani, todos sabem que, afinal, para que serviria o Google se não fosse para tais venais fins?Um dia Mondocani achará um bom e claro motivo para usar o Google. E se Google é como deus, então deverá ser assim para sempre, uma eficiente entidade para fins efêmeros. No dia em que Mondocani fizer isso, ele me conta e eu venho aqui publicar.
As pessoas que rezam pela paz mundial, como os budistas sokagakai, também rezam para comprar carros novos ou bons relógios Patek. Ou passar no vestibular.
Mas como Mondocani, são felizes e perdulários com dinheiro, saúde, amor, perdão, paciência e outras minúcias e picuinhas. E como Mondocani, rezam justamente por essas coisas.
É importante constatar que não são apenas os budistas que rezam por relógios ou perdão ou saúde. Até ateus rezam por isso. O que se sabe é que poucos rezam pela paz mundial ou fazem maratonas oratórias de 24 horas para tal. Para Mondocani é pura balela. É só pra ver quem fica mais tempo ajoelhado em louvor e sacrifício recitando um mantra através da madrugada.
Com a rapidez das informações que agora correm o mundo na velocidade da luz, meio que tudo ao mesmo tempo agora, ninguém soube ou reportou um genuíno êxtase nos moldes de Tereza D'Ávila ou de xamãs tibetanos. Deve ser porque o mundo está muito barulhento ou fedido.
O que importa mesmo é ouvir o talk blues truncado e suingado de Dylan ou as melodias caipiras/canadenses de Neil Young.
Mondocani vai até ali ligar o estéreo.

Nenhum comentário: