SP Capital - Envelheço na Cidade


Estive em São Paulo em junho de 2010 e passei um dia com o Laerte. Fui na casa dele, almoçamos e depois fomos na Comix pra ele me autografar o livro mais recente na ocasião, o Laertevisão.
Passaram alguns meses e ele lançou o Muchacha, esse ainda estou pra ir buscar.
Dali a dois dias eu embarcaria de volta pra cá.
Essa foto é uma homenagem a mim, ao Laerte e a SP.
A mim porque nasci nessa cidade e devo a ela todo meu dna cultural e emocional. Por São Paulo celebro a vida e o que sou.
Homenageio o Laerte porque ele é o maior cronista contemporâneo da cidade, é paulistano, é punk, é fodão, é diário, é da Folha.
E a São Paulo, que gerou a mim, a Nanci, o Laerte e muitos tantos heróis do meu passado, ainda presentes, distantes, sorridentes.
São Paulo de trocentos anos onde nada se perde, tudo se transforma e passa boiando no Tietê. Até Piratas - e corsários efêmeros.

2 comentários:

Rita disse...

Parabéns, São Paulo
Parabéns, Nei!
Bjo

Thais Aguiar disse...

É, o Laerte será sempre o Laerte, buscando, inovando e ensinando as partículas das mínimas coisas em exposição ou não, seja nos hqs ou na postura com a vida. Minha vida também, sou a soma de muitos laertes e mais um tantão de coisas boas que encontrei desde a adolescencia por aí! E salvem os piratas, os leminskis e uma boa dose de rabo de galo! E abaixo os embustes que insistem em ressurgir e se propagar!