Lutos, sósias ou quase isso - ou porque a minha morbidez não serve nem pra adubo


Tem gente que é meio imortal. Tem outros que morrem cedo. A maioria morre e a gente nem se dá conta ou não tá nem aí ou quer é mais.

O Steven Tyler é meio imortal. O cara tomou todas as drogas sólidas, liquidas e gasosas a vida toda. A maioria das pessoas que estiveram na mesma roda, já morreram. Ele não. Firme, forte e feio. A banda continua chinfrim desde que dizem que já foi boa, lotava estádios, há decadas fazem aquela coisinha que todo mundo gosta. Pra mim o Aerosmith está para o rock assim como Kenny G. está para o jazz.

Podia ser pior, podia ser Richard Clayderman para o piano. Não, nesse nível
é o Bon Jovi.

O Tyler é tão imortal que foi contemporâneo do Led Zeppelin. Hoje em dia muita gente não sabe o que é isso, o Led Zeppelin.

E o Led Zeppelin foi contemporâneo dos Beatles que foi de Elvis que foi de Nat King Cole que foi de Gershwin e se for assim a gente chega em Mozart em mais três ou quatro nomes.

Outro dia vi um comentário sobre o Rod Stewart muito bom. Era de uma garota inglesa que dizia que ah, claro, o velhinho que se acha e ainda come menininha. Pensei no Ron Wood que curte playmates. Aliás, Rod e Ron tocaram juntos no The Faces , também no tempo do T Rex, que não é uma metáfora, mas uma banda das antigas também.


Abri um site de notícias e vi a Elizabeth Taylor numa cadeira de rodas - parece estar nas últimas - e pensei que era o Steven Tyler.

Nesse momento que eu lia as notícias, a Nanci passou aqui atrás e perguntou olhando o monitor sobre os meus ombros:

- Michael Jackson?

Pra você ver que a piada anda solta e não é só minha. Mas tem a justificativa de que ela estava sem as lentes de contato e procurando os óculos.

Quando penso no The Faces e penso que eles eram medianos para serem lembrados por mim, penso também que Rod Stewart e Ron Wood são muito parecidos. O Rod é mediano e canta as duas mesmas canções a vida toda - e uma delas é plágio do Jorge Ben. O que salvou o Ron Wood da mediocridade foi ser convidado para tocar nos Rolling Stones.

Na verdade, acho que Ron Wood tem a cara e as rugas que é o meio do caminho entre Rod Stewart e Keith Richards, guitarrista (esse sim um imortal) dos Rolling Stones.


Tem também a maluquice de acharem o Tyler a cara do Mick Jagger. Compartilho dessa maluquice. Deve ser a boca com os beiços sobrando pra frente. Nem boto foto do cara aqui porque a cara dele é arroz de festa e todo mundo que lê esse blog sabe do que eu to falando.

Num dado momento da carreira dos Rolling Stones, Jagger e Richards eram chamados de "glimmer twins" ou gêmeos brilhantes ou algo assim. No Wiki diz que esse apelido foi dado a eles pelas namoradas Marianne Faithfull e Anita Pallenberg nas férias que passaram em 1969 no Brasil.
Será pelo excesso de coca? Será por causa do reflexo das areias de Copacabana?

As semelhanças são um grande círculo vicioso, considerando esses caras. Coitada da Liz Taylor que entrou no balaio só porque estava com os cabelos esgruvinhados e de óculos azuis.

Por falar em
cabelo, há décadas o Rod Stewart usa esse corte Xitãozinho. Ou será com cê-agá?

Tudo isso pra dizer que quem morreu no universo do rock foi o Gary Moore e não faz a menor falta nos meus ouvidos. Por isso a minha morbidez não serve nem pra adubo.

Um comentário:

osmar disse...

...haha... adorei esta postagem, juro!!! E olhe que só o tempo vai mostrar se minha morbidez servirá ou não pra adubo... Eu estava pensando no Tyller ontem de noite, algo mais ou menos parecido com isso, um "imortal"... desses que a gente percebe que enquanto existem, dá uma sensação que nossa vida ainda continua a mesma (mas só a sensação, cara!!!) 1 abração do amigo

the ^..^ Osmar