Um copo de água/um homem dormindo/uma tragédia




Um copo d'água pode ser a visão do vazio se a transparência,

a falta do que ver, do que falar, do que sentir, forem um só vazio.

Mas tem o risco que separa de dentro dágua do de dentro do ar.

Um risco não conta, não preenche o vazio, não satisfaz o olhar.

Tem o ar que enche o copo quando some o risco ou quando o risco desce e fica lá embaixo grudado no fundo.

Tem o mundo, que se não fosse uma rima.


Um homem dormindo não conta vantagens e nem será atropelado se deitado.

A maioria das pessoas de uma cidade - qualquer - dormem ao mesmo tempo.

A minoria que está acordada depois dormirá ao mesmo tempo.

Nem todos voam no trapézio.

Mas todos que voam também dormem.


Uma tragédia jamais faminta, jamais subindo uma ladeira, jamais denotada à grega,

uma tragédia sem nome que mata e voam todos os Legos.

Uma tragédia pé ante pé porque uma tragédia é irmã da outra.