Sabe-se lá

Intransponível é a linha entre o ontem e o amanhã. Não dá para sair dela, é tudo ao redor de hoje e acabou.
Planejar a gente planeja, mas quem não se surpreende com alguém na contramão ou um arco íris como uma bênção?
Tem as lembranças e os esquecimentos.

Me espanta quando alguém diz que lembrou depois que esqueceu. Impossível. Esqueceu porque não tem como lembrar.
Quando a gente volta a lembrar não significa que deixou de esquecer.

Alguns detalhes estão frescos entre dois segundos, sabores ou roupas coloridas.
Lembro de automóveis, pessoas atrasadas e uma das minhas velhas tias dizendo que correr ao redor da mesa cria cobra.

Perdi muito tempo da minha vida sem escutar James Brown.

Um filme pornográfico tem basicamente duas possibilidades, a entrada e a saída.

Só quero acordar amanhã para dormir de novo.
Gosto de cochilar à tarde, mas sabe-se lá quando dá.


Quando alguém morre, não tem jeito, é a vida.
A morte é a vida.
O problema não é morrer, é ficar vivo e testemunhar que todos morrem.
Tampouco o problema é viver.
Viver é uma solução com um resultado num final muito paradoxal.

Nenhum comentário: