A ética da estética

Quando eu era office boy (uma espécie de motoboy sem moto) e ia nas casas das madamas super ricaças dos Jardins (cunhada do governador, prima do senador, sobrinha daquele, sobrenome desse) pegar um cheque ou entregar uma encomenda, os porteiros me deixavam entrar pelo elevador social.
Mas eu era serviçal, eu pensava.
Tinha uma dona ali na Alameda Casablanca que mexia com objetos importados de arquitetura de interiores e eu ia muito lá, quase duas vezes por semana. O porteiro virou chapa.
Um dia eu e uma moradora mais simples estávamos na porta e ela foi caminhando pela lateral do prédio, para os fundos, para o elevador de serviços. Eu segui pelo tapetão, pelos mármores, grandes vasos e botões dourados.
Esperando o elevador, perguntei pra ele porque ele deixava eu entrar pelo elevador social sabendo que eu era apenas um leva-e-traz.
- Porque você é japa.
Aquilo foi uma aula de sociologia.

2 comentários:

Maíra disse...

Acontece comigo tbm

Léo disse...

foi