A USP e o caray a 4

Enquanto isso no macrocosmo alguns estudantes invadiram a reitoria da USP. Poderiam ser milhares, centenas, dezenas, meia dúzia. Poderia ser honesto invadir. Poderia ser um motivo absolutamente educacional, acadêmico, curricular, linguístico, semântico. Não.
Foi por causa do ranço da polícia militar e do ranço que se mantém deles com estudantes e dos estudantes com eles. Coisa velha, anos 60, bossa nova, festivais, ditadura.
Tudo por causa de alguns baseados. Uma coisa ilógica. Discute-se que a polícia deveria prender bandidos e não ficar perseguindo estudantes de classe média por causa de míseros gramas de maconha.
Mas vai prender bandido pra fazer o que?
A idéia de prisão é uma distopia no Brasil. É como se o inferno tivesse um umbigo e dentro desse umbigo houvesse um inferno com um umbigo chamado inferno dos infernos.
Um fusca com 120 pessoas dentro, alguns com direito de sair, mas seus papéis estão perdidos em algum lugar muito longe do umbigo, no cu do cu, por exemplo. E sem esses papéis, um abraço, vai ficando.
No tempo desses dois parágrafos, o fusca ficou mais lotado, já são 122 pessoas dentro.
Para equilibrar esse sistema, matam-se uns aos outros. São como baratas, canibais e sem consciência. O fusca os deixou assim, fez dos homens, baratas. É um universo onde 121 pessoas agridem 1 e todos agridem todos até que morram 100 para o fusca ficar confortável com 22 pessoas dentro.
Dizer que uma prisão é uma utopia é uma bobagem sem fim. Ninguém tem uma prisão como utopia. Se eu falo merda, todos podem falar. É a vida.
Mas a polícia. A polícia prendeu estudantes que fumavam maconha em local público. A maconha ainda é proibida em local público. A USP é pública. Ou é uma independente república umbigo dentro de outra?
Não discuto se as leis da sociedade estão certas ou erradas. Nem se a polícia é correta ou não. O fato é que estão fazendo um escarcéu por nada.
Prende-se bandido para manter o equilíbrio e a felicidade das pessoas honestas fora do umbigo. E a felicidade pode estar em fumar um baseado na USP. Mas também pode ser prender alguns estudantes.
Não dá pra discutir se é viável liberar geral ou manter a lei como está. É maior que esse blogueiro e sua cabecinha de blogueiro.
O caray a 4 são esses estádios por aí para uma festa que virá e pelos preços, não será nada brasileira. Se eu disser que poderiam construir prisões, dirão que sou fascista. Mas poderiam - dizer que sou fascista e construir melhores prisões. Pelo menos o fusca não ficaria confortável com vinte pessoas dentro. E então seria justificável dizer que a polícia deveria prender bandidos ao invés de bom moços com um baseadinho na mão.
Mas quem sou eu pra zuar na festa do futebol no país do futebol? Ia ser o meu caray a 4.
O caray a 4 são os salários dos policiais. O que motiva um trabalhador qualquer é o salário. O que motiva um policial?
O caray a 4 é essa discussão inócua.
Moleque, vai estudar porque é de graça, bocoió.

Nenhum comentário: