Carnaval, o escambau

Semana passada tive uma crise virótica muito parecida com a tal Influenza.
Foi uma gripe forte.
Foi a pior coisa física que já tive.

Física, eu disse.

Fui ao médico, tomei remédios, fiquei na cama, chás, sopas, sofá e um repeteco da última temporada dos Sopranos.
Febres, calafrios, dores de cabeça, músculos destruídos, sonhos David Lynch, só que cinema B, como geralmente funciona minha cabeça febril.

No sábado à tarde achei que tinha me safado dela. Que nada.
Ela voltou no domingo à noite como se fossem milhões de hunos finalmente pisoteando Roma.
Um vírus histórico, veja só.

Mais febres, calafrios, dores de cabeça, músculos destruídos, sonhos David Lynch, só que cinema Z.

Os remédios, me disse o farmacologista, me farão ter diarréias, será o vírus sendo expulsos do teu organismo, por isso, alimente-se bem para que o ciclo se conclua.
Deixa comigo, pensei.

Hoje comi uma daquelas pizzas prontas de supermercado e benditas - malditas - foram as palavras do boticário.

Não fui trabalhar meio período da quinta, nada na sexta e hoje, segunda.
Quatro dias e meio.

Além de cagão, folgado.

Nesses dias, apesar da folga e do ócio, evitei o computador. Li muito, entre um delírio e outro:

"Jimmy Corrigan - O Menino Mais Esperto do Mundo", Chris Ware.
"Os Piratas do Tietê - Completo - Volume I, II e III", Laerte.
"A Hora da Estrela", Clarice Lispector.

Esse último ainda tô relendo. Está sendo a transição entre o mal e o bem estar.

Mas Clarice sempre me dá uma sensação de não-sei-bem-o-quê. E é exatamente por isso que sempre a leio e releio. São as mesmas buscas sensoriais que tenho com Kafka ou Márquez ou Borges ou Fonseca. Não é apenas uma questão literária, do conhecimento filosófico ou intelectual. É maior.

E então voltei pro sol, pra janela aberta, pra caneca de chá, a realidade.

Quando liguei o pc para ver as notícias, só carnaval.

Mais um motivo para evitá-lo. Off.

Bom mesmo foi a vitória do Timão em cima do C do ABC.

Volto ao travesseiro, ao aconchego e macio do futon e o abc de Clarice.

Carnaval, o escambau.





Nenhum comentário: