Oh, yeah

Quando entro numas assim,
quero carne mal passada,
um livro do Bukowski,
uma garrafa de qualquer vinho de cinco dólares e
latas na mureta
pra ficar atirando de estilingue.

Oh, yeah.

Tem que ser som do Delta,
das encruzilhadas dos mojos criollos
das sextas-feiras dos menestréis.

Tem que me acordar
com todas as dores da vida
numa única nota flutuante
entre
o infinito
e o belo.

Oh, yeah.

Nada disso será tão intenso quanto suas danças,
suas vidas, suas cachaças fedorentas deitadas goela abaixo

sem satisfação.

I can't get no.



Aumenta o volume, cara,
a vida toda,
até gritar assim desse jeito aí.