Tohoku, antes e depois

Clique nas fotos para melhor visualização.


















O poder de superação das pessoas da região de Tohoku, no Japão, é sugoi, como dizemos por aqui.

Muita coisa precisa ser feita. Muita gente ainda está em abrigos coletivos, outros abandonaram suas cidades, empregos e casas por causa da radiação.

Milhares perderam suas vidas e outras vidas.

Um país onde o primeiro-ministro corta mensalmente 30% e todo o ministério 20% dos seus próprios salários para ajudar na reconstrução, carrega em si um gesto emblemático e humano.

Não vejo demagogia.

O dia 11 de março de 2011 está em mim porque eu estava aqui, 700 km de lá.

A onda sísmica foi tão forte, longa e intensa - 4 graus em Hamamatsu - que eu senti enjôo.

E depois, a paúra que nos atingiu foi tão grande e poderosa quanto o tsunami que todo o mundo viu.

Foi até maior porque nunca mais voltou para o mar.

Fotos: Yahoo! News/ AFP

3 comentários:

TVA disse...

Tudo muito bem feito, sem corrupção, sem desvio de verbas, sem material de 3ª, eu imagino.
-
Daí a gente percebe que está a anos-luz da cidadania e o desenvolvimento social que se vê em países realmente desenvolvidos como o Japão. (Tárcio/Tuparetama)

osmar castagna disse...

Caríssimo amigo Nei Sam, não há outra coisa a dizer se não parabenizar os Japão e os japoneses!!! Como comentou a TVA, "tudo muito bem feito, sem desvio de dinheiro, sem corrupção"... com responsabilidade para com o povo e respeito pela sua história... tal qual no Brasil!!!! Fico imaginando como as coisas teriam acontecido se essa hecatombe tivesse acontecido aqui!!! É só prestar atenção no que fizerem em Petrópolis depois da desgraça do ano passado...
1 grande abraço musical, Nei.

the Osmar.

Bem disse...

O fotógrafo japonês Satoru Niwa - http://www.satoruniwa.com/ - tirou uma série de fotos na zona de exclusão de Fukushima, logo após o acidente na usina nuclear - http://www.satoruniwa.com/#mi=2&pt=1&pi=10000&s=0&p=0&a=0&at=0 . Ele também fez uma série de imagens iluminadas pela lua na cidade de Miyagi, duas semanas após a tragédia - http://www.satoruniwa.com/#mi=2&pt=1&pi=10000&s=0&p=2&a=0&at=0