Corinthians

Amanhã faço 47.


Em 1982, na Copa da Espanha, um dia antes do meu aniversário, o Brasil perdeu em Sarriá para o Paulo Rossi.
Hoje os espanhóis são campeões de tudo.


Em 2012, um dia antes - aqui, por causa do fuso horário - Emerson Sheik lavou a minha alma, 30 anos depois, com dois gols de campeão.




Do mesmo lado que o lateral Super Zé Maria cruzou em bola parada em 1977, o Alex. também de bola parada, ligou o chuveirinho, Sócrates baixou na área, Danilo encorporou o Doutor por 3 segundos e meteu aquela de calcanhar para o Emerson amortecer no peito e fazer um.




Num erro de saída de defesa, Toninho Cerezo entregou o terceiro gol aos italianos em 1982. Erro bobo. Se ele toca pro outro lado, hoje a gente seria hexa.






No mesmo erro, mais crasso e grosso, o rapaz ali de azul, agora e para sempre vice, entregou para o Sheik das Américas dar um tapa e correr correr correr e correr até que o gol surgisse como uma aparição, um alvo, o alvo, a certeza, o abraço, o grito, meu grito, as lágrimas, minhas lágrimas, nossas lágrimas.




Até em futebol de botão a gente canta o hino do Timão.


Agora aguenta.



3 comentários:

Cortissa disse...

Lindo texto, Nei! Agora a nação corinthiana precisa aprender a falar "é nóis" em japonês. Vai Corinthians!!!!

Palavras Vagabundas disse...

...mais um do Bando de Loucos!
bjs
Jussara

Camilo disse...

É nóis, mano!
E eu tava lá, tá ligado?
Sensacional!!!

A Libertadores finalmente conquistou seu primeiro Corinthians!!!

Agora precisa arrumar un jeito de ir praí em dezembro...
Vou participar de todo e qualquer concurso valendo ingresso, passagem, etc.

E, pods crê, cumé que fala "é nóis" em japonês?