No janela

Eu vejo um homem pela janela e
as cigarras berram amor nesse verão ao redor do homem.

Dos homens e mulheres caminhando em todos sapatos do mundo
e os sapatos nas vitrines esperando os homens e as mulheres.

De fato, a janela é apenas uma janela.
Nada passa através dela, se fechada,
mas é transparente e
imagens e mentiras entram em meus olhos

como dizer que o homem lá fora é um poeta

ou um coletor de impostos bíblico ou músico de esquina
ou senhor de suas idéias ou um cretino perfeito.

Nem homem há. Nem janela,
só um número na loteria de temas
que escolhi hoje de manhã.


Um comentário:

rodrigo tomé disse...

A palavra - em si - nada revela,
impressa no vazio do dicionário;
só tem corpo no discurso diário.
A palavra é moldura e janela,

nunca paisagem real - por mais bela.
Para uns, tem poder incendiário,
a vida ganha outro sentido - vário.
Para outros, pode ser a fria cela.

Se crê nela - como coisa - piamente:
Doce ou amargo será seu engano,
pois a palavra nunca é inocente.

Se aceitá-la - reflexo da mente
e fruto da vista e toque humano:
Janela se abrirá honestamente.

Janela, Rodrigo Tomé