Frases muito biitinha

I

Tem uma que eu adoro que vira e mexe aparece no social, que é

"Em país desenvolvido não é onde pobre tem carro.
É onde rico utiliza transporte público".

Beleza. Ô. Ainda mais se a frase vem acompanhada da foto de um busão com conforto de classe executiva de um Airbus. Aí é fácil.
Se isso é uma referência ao Brasil, a São Paulo, à capital, fico pensando no transporte público que temos por lá.

Se rico, a classe média emergente, a estabelecida, os pobres, a sociedade em geral evita usar o busão nacional, o metrô nacional, o trem nacional, é porque não cabem. E porque se os pobres estão comprando carros, é porque aquilo é ruim mesmo.

Então não adianta vir com frasezinha com pseudo-efeito social.

Mesmo morando longe, concordo que o trânsito está horrível e é um caos de milhões de motores ligados, escapamentos cuspindo e pessoas em aquários com rodas.

Mas deve ser bem melhor que segurar um cano no teto do coletivo disputando poucos milímetros de piso com o pé do cara ao lado. Do outro lado também. Na frente. Atrás.

Que as metrópoles precisam diminuir sua frota de veículos particulares, é evidente. Mas a frase acima me parece querer matar piolho com martelo.

II

"Se você ensinar seu cachorro a ser vegetariano,
pode amarrar ele com linguiça".

Tá. E o pai do Galego é astronauta.
Não, essa não tem no social. Inventei agora. Mas bate no mesmo ticoeteco do busão.

Nenhum comentário: