Escrever


O Vício
Tem dia que a gente abre os olhos e só pensa em escrever. Não é lubrificar a corrente da bike, nem dar comida aos cachorros. É escrever, apenas escrever, passar a tinta no papel, teclar. Pode até fazer bolinha e jogar fora ou apagar, mas não foi em vão, foi escrito.

As Paredes
As paredes das cidades-livros. Os livros como endereços. Os endereços com reticências, casas metafóricas e os lares com nota explicativa.
Se poesias inteiras fossem escritas nas paredes das cidades, Pessoa caberia em quantos habitantes?
Quantas cidades seriam necessárias para a Paulicéia de Mário?
Dá pra ser gauche na Rua Direita?
De tintas, para Pound, quantos litros?

I Love You
Em Baby, Gal diz: leia na minha camisa i love you.

Blues
Os negros cegos do Delta não liam e nem escreviam. Não sabiam a diferença entre um P e um X. As canções eram feitas para serem ouvidas, decoradas, passadas adiante. Cada um deles carregava tanta dor de outras gerações que mesmo não entendendo quase nada do lamento, descubro no blues que a vida pode ser uma única nota esticada no final de um solo.

Poetas
Podem tudo.




Nenhum comentário: